Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

4º Dia - Como Eu Vivi e Tudo o que Aconteceu Comigo

Olívia Ramos Teixeira e seu microrroteiro editado por Laura Guimarães. | Foto: Julia Parpulov
Olívia Ramos Teixeira e seu microrroteiro editado por Laura Guimarães. | Foto: Julia Parpulov

Memórias que vêm à tona, atividades inusitadas e apresentação circense fizeram o domingo do Festival.

"QUERO LHE CONTAR COMO EU VIVI E TUDO O QUE ACONTECEU COMIGO"

Aproveitando ainda a música Como Nossos Pais, de Belchior, que foi tema do Festival da Integração deste ano, no domingo a EOnline buscou por alguém que quisesse contar sua história de vida.

Na oficina Microrroteiros, o interessado escreve um relato pessoal curto, triste ou engraçado, e a Laura Guimarães transcreve, ou melhor, resume o texto a 140 caracteres, criando um microrroteiro do cotidiano. Depois de prontos, eles são impressos e colados como lambe-lambes num painel no Sesc Bertioga. E aqui foi o ponto de partida para a nossa história.

Logo, se sentou Olívia Ramos Teixeira para participar. "Ih tem que escolher uma? Minha vida teve tanta história que já deu até um livro!", declarou a senhora de 86 anos, costureira de vestidos de noiva, na ativa até hoje e moradora de Santos.

"A Senhora escreveu um livro?", a oficineira perguntou e Olívia foi logo tirando-o da bolsa. "Tá tudo aqui, histórias que vivi ao longo desses anos como costureira.", conta já emendando que quando era criança se oferecia para ser daminha de honra nos casamentos de conhecidos, pois já tinha o vestido pronto, feito por ela mesma. Aproveitou e narrou a vez que a noiva entrou na igreja usando um short xadrez por baixo do vestido e uma sapatilha velha, de tão atrasada e atrapalhada que estava. E a do noivo português que era baixo demais para sua noiva e o fotógrafo, que ficava na Praça José Bonifácio, teve que pegar uma caixa de figo para ele trepar (era com essa palavra mesmo) e sair da altura dela na foto. São tantas memórias e tantos detalhes, que ficou fácil para a costureira escrever na oficina.

Depois de meia hora estava pronto o texto, frente e verso de uma página, que Laura teve que reduzir a poucas palavras. A história, que foi contada no papel e verbalmente pela autora, também faz parte do livro e era sobre uma madrinha que estava no lugar errado na igreja e resolveu passar por cima do véu da noiva para se posicionar corretamente. O sapato enroscou no tecido, ela quase caiu e o padrinho, que foi tentar ajudar, desabou no chão. Foi uma atrapalhada e, no fim, a igreja toda riu. Já com sua crônica reduzida e impressa em mãos, Olívia foi colar o lambe-lambe com a ajuda de Átila, do Coletivo Paulestinos.

Para finalizar, perguntamos à comunicativa senhora se ela poderia resumir sua vida em uma frase curta e ela logo perguntou se já podia começar a falar. "Sou costureira de noiva. Em 1949 foi quando eu fiz o primeiro vestido para uma noiva que se chamava Deolinda. Quando ela saiu da igreja, olhei para o céu e agradeci a Deus, porque ele tinha concluído um sonho na minha vida. Dessa data em diante eu fiz muitos vestidos de noiva, tive muitas experiências boas, más, doloridas, mas essa foi a minha profissão. Com ela que sustentei a minha casa, ajudei meu marido e que até hoje, aos 86 anos, ainda costuro.", resumiu em 30 segundos.

Antes de se despedir comentou que já está pensando em escrever o segundo livro, com as histórias que faltaram.

RAPIDINHAS DO FESTIVAL NO DOMINGO

ATIVIDADES FÍSICAS: O sucesso da manhã foi a aula de GMF (Ginástica Multifuncional) com a participação de uma banda de forró. Todo mundo aprendeu o dois pra lá, dois pra cá, além de algumas rodadas básicas. Depois, seguiram para a Hidroginástica na piscina. O destaque da tarde foi o SUP (Stand Up Paddle) Yoga. Você acha que eles não conseguiram se equilibrar em cima da prancha? Então dá uma olhada nas fotos do álbum abaixo.

OFICINAS: Continuamos com as oficinas de origami lotadas e foi o último dia das vivências O Som do Barro, Microrroteiros e Quem Sou Eu na Minha História.

MÚSICA E BADALAÇÃO: Na capela, o fadista Alexandre Matis se apresentou com participação especial de um passarinho, como você confere no áudio a seguir. À noite, a surpreendente intervenção de graffiti digital e animado do Suaveciclo, com Vj Suave. Para finalizar o domingo, nada de show musical e sim circense, com o Cabaré TrixMix, que apresentou números de malabarismo, argolas gigantes, tecido e claro, ilusionismo e mágica.




Fotos de tudo isso e mais um pouco você vê aqui:

_______________________________________________________________________________________________________
O Festival da Integração é um evento que acontece duas vezes no ano, reunindo idosos frequentadores das Unidades do Sesc em São Paulo, com a finalidade de consolidar as ações permanentes desenvolvidas através do Programa Trabalho Social com Idosos – TSI. Durante os dias do Festival, é oferecida uma programação especial que fortalece os objetivos da ação do Sesc junto a esta população. Além de usufruírem das instalações e ambientes do Sesc Bertioga, os idosos têm a oportunidade de participar de atividades de várias modalidades e linguagens, tanto esportivas, de lazer, como artísticas. No ano de 2015, o objetivo central é a reflexão sobre os papéis assumidos por nós ao longo da vida, percebendo se eles ainda nos cabem, se fazemsentido e refletem o que de fato somos.

Outras programações

Ações para a Cidadania

Ponto de Encontro: Memória e Ancestralidade Guarani

Ponto de Encontro: Memória e Ancestralidade Guarani

SESC Bom Retiro

Saiba mais

Esporte e Atividade Física

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

SESC Bom Retiro

Saiba mais

Esporte e Atividade Física

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

SESC Bom Retiro

Saiba mais

Esporte e Atividade Física

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

SESC Bom Retiro

Saiba mais

Esporte e Atividade Física

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

Dança Afro-brasileira: Da tradição à contemporaneidade

SESC Bom Retiro

Saiba mais