Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

O 'Mar Ruim' dos Tupinambás

Cacos arqueológicos tupinambás da exposição Na Outra Margem.<br>Foto: Mariana Krauss/Sesc
Cacos arqueológicos tupinambás da exposição Na Outra Margem.
Foto: Mariana Krauss/Sesc

Pipoca, abacaxi, Anhangabaú, Paraíba. Não é necessário pensar muito para reconhecer traços da cultura indígena na atualidade. A presença indígena é elemento fundamental da formação do povo brasileiro, especialmente entre os moradores das margens dos rios, como os piraquaras do Vale do Paraíba.

“Encontramos traços da cultura indígena em nossa alimentação, na nomenclatura de ruas, bairros, de animais, dos peixes, a relação com a natureza. Tudo isso tem uma carga indígena que chegou até a nós, permanece até os dias de hoje em nosso cotidiano e em nossa cultura”. A fala de Sonia Gabriel, pesquisadora do instituto Ecocultura, elucida em partes o do olhar que a exposição ‘Na Outra Margem - O Rio Paraíba do Sul’ lança sobre esta presença na cultura que se estabeleceu às margens do Rio. Em outubro a pesquisadora realizará a palestra 'O Patrimônio Cultural do Vale do Paraíba'. O Instituto realizou a pesquisa de patrimônio sócio cultural da região e que serviu como um dos apoios para o desenvolvimento do projeto.

Os tupinambás são considerados os antepassados de todas as tribos tupis que habitavam o litoral brasileiro no século XVI. Eram a nação indígena mais conhecida da costa brasileira pelos navegadores europeus do século XVI. Seus vestígios na região estão representados logo no primeiro momento, num nicho em que cerâmicas cenográficas são exibidas em conjunto com cacos arqueológicos tupinambás.

Paraíba
A denominação Paraíba é de origem tupi e significa "mar ruim", através da junção dos termos pará (mar) e aíba (ruim). O nome reflete a dificuldade de navegação no Rio a partir do trecho após a cidade de Cachoeira Paulista.

Os indígenas possuíam uma cultura complexa nas explicações sobre a vida e a morte, as relações sociais e os compromissos individuais e coletivos quanto ao espaço geográfico. A formação das montanhas, vales e rios é explicada pelo Mito de Monam.
Segundo o cenógrafo Julio Dojcsar, a explicação mitológica para a formação do Vale do Paraíba apresenta semelhanças com a teoria científica, ambas representadas na cenografia da exposição 'Na Outra Margem'. “Coincidentemente ou não a versão mitológica indígena é um pouco parecida com a história geomorfológica, envolvendo movimento, fogo, lava, magma”.

A exposição está aberta para visitação até 4/3/2014, e além da influência indígena representa vários outros aspectos culturais e ambientais do entorno valeparaibano.

:: Saiba mais sobre a proposta da exposição 'Na Outra Margem'

:: Assista ao making of comentado da exposição

o que: Na Outra Margem: O Rio Paraíba do Sul
quando:

De 22/08/13 a 04/03/2014

onde:

Sesc Taubaté | Avenida Engenheiro Milton de Alvarenga Peixoto, 1264, Esplanada Santa Terezinha | 12 3634-4000

 

Outras programações