Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Quando gestos falam mais do que palavras

#pracegover #pratodesverem Descrição da imagem. Foto da performance 2 em Dois. A esquerda da imagem está Marita Oliveira, ela vesta camisa preta e está com uma parede branca atrás. Do lado direito está Felipe Nicastro, ele veste camisa preta, com uma parede branca atrás, ele segura uma bola que possui uma iluminação interna na cor verde. Fim da Descrição.

 

A dupla de artistas Marita Oliveira e Felipe Nicastro se conheceu antes dos palcos, em 2012, quando eles ainda trabalhavam em uma fábrica e já falavam sobre arte. Durante o curso de teatro que fizeram juntos, continuaram a dividir sempre os mesmos interesses. 
 

#pracegover #pratodesverem Descrição da imagem. Foto da atriz Marita Oliver na peça Poemas e outros bichos do coletivo Somos Grão. Na peça a atriz está ao centro da foto com uma blusa e calça preta. Ela usa um adereço na cabeça, com duas grandes orelhas vermelhas e um cano amarelo preso no topo da cabeça, simbolizando um elefante. Ao fundo vemos um cabideiro com várias roupas e um mancebo com vários adereços coloridos. Foto de Geraldo Lima. Fim da descrição.

#pracegover #pratodesverem Descrição da imagem. Foto da atriz Marita Oliveira na peça Poemas e outros bichos do coletivo Somos Grão. Na peça a atriz está ao centro da foto com uma blusa e calça preta. Ela usa um adereço na cabeça, com duas grandes orelhas vermelhas e um cano amarelo preso no topo da cabeça, simbolizando um elefante. Ao fundo vemos um cabideiro com várias roupas e um mancebo com vários adereços coloridos. Foto de Geraldo Lima. Fim da descrição.

 

Marita Oliveira, além de fotógrafa, possui experiências no teatro. Passou por peças como “Escuta: deixo ser e ser então”, “Oh, manas” e “Rexistir” sobre feminismo e contra a violência na época de ditatura militar, “Poemas e outros bichos”. Mas o início da sua carreira foi com poemas em Libras.
 

“Eu comecei a participar da Poesia de Libras [Sarau Surdo] e Corporsinalizante em 2015, fui treinando, criando essas poesias e sinais, fazendo adaptações em português e língua de sinais” - Marita Oliveira
 

Felipe Nicastro começou no teatro ainda na escola, fazendo peças como pequeno príncipe surdo. Atualmente, além de atuação, ensina Libras e realiza contação de histórias. Ele relata que os cursos e grupos de teatros dos quais participou não tinham intérprete de Libras, até então. Mas, no ano passado, encontrou um grupo bilíngue (Libras e português), e que isso faz toda diferença para um teatro equitativo. 

Em 2018, a dupla iniciou um processo de desenvolvimento de sua linguagem teatral com a proposta de realizar a conexão entre as línguas, Língua Portuguesa e Língua Brasileira de Sinais. Segundo Felipe, o objetivo é “mostrar para a comunidade surda que ela poderia ser incentivada por esse tipo de trabalho”.


“A gente tinha outros sonhos, falar da arte. Nosso objetivo foi lutar para começar essa abertura para as pessoas, para todos participarem, realizar essas trocas, ver essas opiniões, conversar sobre arte e ver como a gente faria esse desenvolvimento desses trabalhos fora da empresa... ...começamos a fazer poesia nos Slams e daí a gente foi se desenvolvendo, e naturalmente criamos nossos trabalhos” - Felipe Nicastro 


Para Marita e Felipe, a equidade de oportunidade entre surdos e ouvintes pode começar com as publicações dos editais culturais que hoje, em sua maioria, possuem ênfase na Língua Portuguesa, e o trabalho em conjunto de surdes e ouvintes no teatro. 

Segundo Marita, isso se deve ao fato de serem direcionados aos ouvintes. Mas quando há a união das duas línguas fica mais fácil para os surdos conquistarem espaços para a língua de sinais. Felipe complementa ao relatar que muitos grupos de surdos não participam de editais em português devido às barreiras geradas pela língua. “Então, com essa abertura, os surdos ganham esses espaços, aumentam a presença da Libras para que os ouvintes comecem a perceber e fazer essa troca, entre surdo e ouvinte, trabalhando nas mesmas condições, sem pensar que é impossível a comunicação”.

Dentro dos palcos, o encontro entre a Língua Portuguesa e Libras pode acontecer de outra forma muito além de colocar um intérprete em Libras no canto. Marita destaca que “a acessibilidade é vista pelo ouvinte como uma adaptação. Coloca-se o intérprete, mas não é só isso. É necessário um referencial surdes, ele precisa trabalhar na companhia [artística], junto com o ouvinte. O bom seria o surdo estar incluído de fato nesse espetáculo, fazer parte, então acessibilidade é fazer parte”.

Nessa mesma linha de pensamento, Felipe relata que acessibilidade é colocar todas e todos nas mesmas condições, e quando ouvinte e surdes estão em contato, conversando, refletindo sobre a arte, isso é trabalhar em parceria, sem precisar “separar a acessibilidade do discurso da arte, seria um trabalho muito melhor, com muito mais qualidade”.

Performance 2 em dois 

Na perfomance que os artistas prepararam para a Semana Modos de Acessar, o vídeo mostra dois personagens que interagem em “lugares diferentes”, mas dando continuidade às cenas, mostrando o cotidiano dentro de casa. Como cada um gravou em sua residência, um dos desafios foi filmar no ritmo para que as ações tivessem sincronia, conta Felipe. 

Acompanhe a performance de Marita Oliveira e Felipe Nicastro: 

 

---

Semana Modos de Acessar 2020 

A Semana Modos de Acessar, ação do Sesc São Paulo, acontece de 3 a 10 de dezembro e promove diversas atividades para incentivar a participação social das pessoas com e sem deficiência. Diante do momento de pandemia, o evento acontece inteiramente no ambiente digital. 

A performance de Marita Oliveira e Felipe Nicastro é uma das sete que compõem a proposta do Coletivo Home Art. 

Acompanhe mais apresentações em www.sescsp.org.br/modosdeacessar 

***Entrevista realizada por plataformas virtuais com auxílio de intérpretes em Libras: 

Claudia Regina Vieira é Bacharela em Letras Libras pela UFSC com pólo na Unicamp. Docente na Universidade Federal do ABC - UFABC e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Saúde na Infância e Adolescência da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp. Com pesquisas e trabalhos com ênfase na Educação de Surdos e Língua de Sinais. 

Andrey Gonçalves Batista, com graduação em tradução e interpretação de Libras e intérprete da Universidade Federal do ABC. 

Outras programações