Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Também existe sujeira no espaço?

Ao olharmos para o céu enxergamos uma infinidade de pontos luminosos. São estrelas, satélites, e até mesmo planetas que se tornam visíveis em algumas épocas do ano. Só que muita coisa que brilha lá em cima pode ser simplesmente lixo, ou melhor, lixo especial. Qualquer objeto lançado no espaço que não tenha mais utilidade acaba se tornando um.

O assunto é interessante, e rende amplas discussões, como por exemplo: O que acontece se esse objeto entrar na órbita da terra?

Conversamos sobre o tema com a mestre em ciências e física nuclear, e também doutoranda em Engenharia e Tecnologias Espaciais, Gerline Lima. 

Eonline: Afinal, o que são esses objetos, e como todo esse lixo foi parar lá em cima? É possível ter uma média de quantas toneladas há de lixo espacial?
Esses objetos podem ser naturais ou artificiais. Os debris naturais são corpos que existem no espaço, como por exemplo, os meteoroides. Já os artificiais são aqueles lançados pelo homem, como os satélites e qualquer outro material que tenha sido lançado na órbita terrestre.

Segundo informações da Agência Espacial Europeia (ESA) estima-se que há 8400 toneladas de objetos espaciais na órbita da Terra (dados de janeiro de 2019).

Eonline: Esses objetos ficam viajando pelo espaço, na órbita da terra?
Esses objetos ficam girando na órbita da Terra. A velocidade do objeto depende de qual órbita ele se encontra, ou seja, sua altitude. Em uma órbita terrestre baixa (abaixo de 2000km), a velocidade orbital média é de 7 km/s.

Eonline: Todos os satélites possuem um tempo de vida útil? Todos eles viram lixo?
Sim. Todos os satélites possuem um tempo de vida útil. Quando o satélite não realiza mais nenhum tipo de operação ele se torna um detrito. O correto é derrubar o satélite, ou seja, trazê-lo de volta para a Terra antes de se tornar inoperante.

Eonline: Qual a probabilidade desse lixo espacial entrar na nossa atmosfera?
Depende de qual altitude ele está; em órbitas de aproximadamente 600km pode cair devido o arrasto atmosférico, em órbitas mais altas, só com intervenção do homem.

Eonline: Quais os perigos que esses objetos representam? Que tipos de problema podem causar?
Eles representam riscos aos objetos espaciais operantes; havendo colisão entre eles, os detritos da destruição irão poluir a órbita dificultando lançamentos futuros e prejudicando a observação de outros corpos. Em terra, tem o risco de cair em lugares habitados.

Eonline: Existe algum tipo de tecnologia que possibilite o recolhimento desse lixo espacial?
Há pesquisas na área para que possamos futuramente recolher esses detritos, mas ainda está longe de se tornar algo concreto. Este estudo envolve corpos em velocidades extremamente altas e aproximar, capturar e trazer corpos nessa condição é extremamente difícil e caro.

Eonline: É possível visualizarmos alguns desse objetos daqui da terra? 
Sim.A estação espacial internacional e satélites podem ser vistos a olho nu, mas muitas vezes são confundidos com estrelas.

Eonline: Existe alguma rede de monitoramento do lixo espacial?
Os detritos espaciais são vigiados por uma rede de monitoramento, para evitar que haja colisão entre eles e objetos espaciais operantes. Alguns países possuem tecnologia para observarem esses objetos. 

Serviço

Gerline Lima estará no Sesc Birigui no dia 23 de julho, às 20h30, falando sobre o tema: "Satélites e lixo espacial". A palestra faz parte da programação do "Cosmos", evento que promove reflexões sobre a condição humana na terra e no universo. Para participar é de graça. 

Outras programações